Siga-nos nas redes sociais

Policia

Chefes de facções são transferidos do CE para presídios de segurança máxima em outros estados

Criminosos de altíssima periculosidade estariam por trás da onda de atentados no CE

Publicados

em

Vinte bandidos considerados de alta periculosidade, chefes de quadrilhas e lideranças de facções no Ceará, serão transferidos, ainda hoje, para a Penitenciária Federal de Segurança Máxima cidade de Mossoró, no Rio Grande do Norte (RN). A remoção deles deveria ter acontecido durante a madrugada, mas teve que ser adiada. Os detentos teriam sido monitorados pela Inteligência da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social que constatou que eles estavam ordenando os ataques criminosos nas ruas.

Agora, já são 21 bandidos transferidos de Fortaleza para presídios federais desde o começo da onda de atentados em Fortaleza. Entre eles, está o líder e fundador da facção criminosa Guardiões do Estado (GDE). Auricélio Sousa Freitas, o “Celinho da Babilônia”; foi mandado para fora do Ceará por liderar a organização criminosa mesmo após ter sido capturado pelo Serviço de Inteligência do Batalhão de Polícia de Choque (BPChoque) em julho último.

Além de chefiar o tráfico de drogas na comunidade Babilônia e ter fundado a facção GDE no Ceará, Auricélio é apontado como mandante de vários assassinatos na guerra travada com a facção rival, o Comando Vermelho (CV). Teria sido também ele o mandante da chacina no “Forró do Gago”, quando 14 pessoas foram fuziladas em janeiro último. Na ocasião, 14 pessoas que iriam participar da festa na casa de forró – oito mulheres e seis homens – foram mortas a tiros.

Outros líderes transferidos

Ainda de acordo com fontes da Segurança Pública, também deverão ser transferidos nos próximos dias para presídios e penitenciárias federais de segurança máxima outros criminosos tão periculosos quanto “Celinho da Babilônia.

Vejam quem são:

1 – Antônio Guerra de Oliveira Filho, o “Cabeça”, “Cranio” ou “Mano Três”, apontado com um dos líderes locais da facção Comando Vermelho (CV), traficante de drogas que comandava as ações do crime no bairro Sapiranga-Coité. Foi preso em um hotel de luxo, na Avenida Beira-Mar.

2 – Natanael Rocha Prates, o “Nael”, também um dos líderes do CV e comparsa e homem de confiança de “Cranio”.

3 – Antônio Lucivando Nunes da Silva, o “Lu”, traficante de cocaína que era um dos “braços” do comando do CV em Caucaia.

4 – Francisco Gilaílson Ferreira Diógenes, outro perigoso traficante de drogas do Comando Vermelho (CV), que teria ordenado a morte de seu ex-comparsa Robério dos Santos Menezes, o “Escobar”, em novembro último, para tomar dele o território das drogas em vários bairros de Caucaia. A morte de “Escobar” desencadeou uma “guerra” entre as facções CV e GDE que já deixou mais de 30 morto em Caucaia, principalmente no bairro Araturi e no Distrito de Jurema.

5 – Misael de Paula Moreira, o “Maguim”, bandido de alta alta periculosidade, do comando local da GDE, apontado como responsável por diversos assassinatos na Capital.

6 – Deijair de Sousa Silva, o “De Deus”, tido também como um dos membros da cúpula da GDE.

7- Francisco Talvane Teixeira, comandava o tráfico de drogas na cidade de Itapipoca, apontado como o cabeça de uma organização criminosa envolvida também casos de sequestro e crimes de assaltos a bancos e carros-fortes, além de sequestro.

8 – Marcos André Silva Ferreira, o “ Dedé”, segundo as autoridades, traficante de drogas ligado à facção GDE.

9 – Humberto Álvaro de Sousa Pereira, o “Alvinho” ou “Jacaré”, segundo a Polícia, um dos nomes fortes da GDE e responsável pelo gerenciamento do tráficos e mandante de mortes na área do Passaré, em Fortaleza.

Matéria do Jornalista Fernando Ribeiro

Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Policia

Secretaria alerta para criação de perfis falsos de Mauro Albuquerque

Titular da Secretaria de Administração Penitenciária, Mauro Albuquerque, não utiliza nenhuma rede social

Publicados

em

Um perfil falso do atual secretário de Administração Penitenciária, Mauro Albuquerque, foi encontrado no Twitter. A página recebe atualizações desde 7 de janeiro, mas segundo a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), não é oficial. De acordo com a pasta, o gestor não tem perfil em nenhuma das três principais redes: Instagram, Twitter ou Facebook.

As postagens apresentam supostas citações de Mauro e compartilhamento de notícias sobre as ações desenvolvidas pelo secretário na SAP.

Durante os ataques realizados por integrantes de organizações criminosas, diversos boatos sobre ações que não existiram foram compartilhados nas redes sociais. “É importante que o cidadão esteja atento e não compartilhe ou divulgue relatos incertos. Divulgar material falso é crime”, diz nota anterior, divulgada pela SSPDS.

O que diz a Lei

Comunicação falsa de crime ou de contravenção: Artigo 340 do Código Penal – Provocar ação de autoridade, comunicando-lhe a ocorrência de crime ou de contravenção que sabe não se ter verificado. Pena: detenção, de um a seis meses, ou multa.

Matéria do Cnews

Continue lendo

Policia

Ameaça de bomba: Polícia verifica que mala deixada na Praia de Iracema estava vazia; Assista

Caso foi registrado após mala suspeita ser abandonada na rua Antonele Bezerra. Equipe do Esquadrão Antibombas já está no local

Publicados

em

Uma ameaça de bomba foi confirmada na tarde desta terça-feira, 15, após mala suspeita ser encontrada abandonada na rua Antonele Bezerra, na Praia de Iracema.

Agentes do Comando Tático Motorizado (Cotam) isolaram parte da rua, no trecho correspondente entre rua Antônio Lima e avenida Barão de Studart. Equipe do Esquadrão Antibombas esteve no local e verificou que não havia conteúdo explosivo.

Ação do Esquadrão Antibombas contou com participação de cão farejador. Após vistoria, policiais verificaram que mala estava vazia, sem conteúdo explosivo.


Matéria do O Povo

Continue lendo

Policia

Jovem morta em shopping por ex já havia relatado ameaças a amigo no WhatsApp; veja conversa

No diálogo feito por meio de um app de mensagens, vítima relatou para um amigo detalhes do fim do relacionamento

Publicados

em

Em conversa com um amigo por meio do aplicativo de WhatsApp, obtida pelo Diário do Nordeste, Lidiane Gomes da Silva, morta a tiros pelo ex-companheiro dentro de uma loja em um shopping de Maracanaú, na manhã desta terça-feira (15), disse ter sofrido ameaças após ter terminado o relacionamento com o ex-namorado, Alighiery Silva. Após um diálogo entre os dois, ela afirma ter terminado de forma amigável com o homem. “Deixei aquele louco, não consegui mais depois daquele dia, aí tivemos uma conversa e rompemos”, relatou.

Na sequência das mensagens, o amigo pergunta se o término foi tranquilo. A vítima diz que foi chantageada com ameaças, mas que atualmente o ex-namorado a teria deixado em paz. “Ele falou um monte (de coisas), fez chantagem, me ameaçou, mas hoje ele está mais conformado, me deixou em paz. Tá só me ligando (sic), mas não atendo”, revelou.

Preocupado com as ameaças do ex de Lidiane, o amigo chama a atenção para o comportamento de Alighiery.”Tomara (que esteja conformado). Porque já vi muitas histórias assim não acabarem bem”, alertou. Lidiane ameniza a situação e diz que fez um Boletim de Ocorrência (B.O.) contra Alighiery e que o ex não faria nada contra ela.

A vítima menciona, ainda, que o ex tinha uma filha de dois anos com a ex-mulher e que estaria reatando o relacionamento, o que a deixava mais aliviada. Lidiane ressaltou também que, apesar de não confiar muito, estaria tranquila pois, segundo ela, Alighiery ‘morre’ de medo de processo.

Por fim, o amigo cogita a possibilidade de uma reaproximação entre ele e Lidiane e chegam a marcar um encontro. “Você solteira, podemos nos aproximar de novo”. Lidiane o tranquiliza e sugere um encontro em Maracanaú por ser mais perto para ela. “Deixa de medo, ele não vai fazer nada. Relaxa. Por aqui mesmo (o encontro), Fortaleza é longe”, finaliza.

Confira a transcrição de um trecho da conversa:

Matéria do DN

Continue lendo
Publicidade