Bolsonaro privatizará prisões e fará presos trabalharem

Projeto do governo visa conceder presídios à iniciativa privada e fazer com que detentos paguem os custos

Moro exibe troca de mensagens em que Bolsonaro cobra mudança no comando da PF
Adélio diz que se sair da prisão vai “cumprir missão de matar Bolsonaro, não importa como”
Bolsonaro decidirá esta semana prorrogação do auxílio emergencial

Para ajudar com o problema de superlotação dos presídios brasileiros, o governo do presidente Jair Bolsonaro tem um projeto que pode ser a solução: a privatização dessas unidades.

A ideia é que os detentos possam trabalhar para reduzirem suas penas e que, com o salário, paguem por seus custos.

Em entrevista ao portal Uol, a secretária especial do Programa de Parcerias de Investimentos (PP) do Ministério da Economia, Martha Seillier, falou sobre a iniciativa e explicou que o modelo seria realizado por meio de parceria público privada (PPP). Além disso, eles poderiam operar a unidade prisional por um período de 35 anos.

– Já estamos com os dois pilotos em estruturação e na etapa de estudo de viabilidade para saber como será o ressarcimento do investidor privado ao longo dos 35 anos (…) Acreditamos que o leilão possa acontecer no ano que vem – ressaltou.

Por enquanto, há somente um modelo de presídio operando por meio da iniciativa privada desde sua construção até a administração. Ele fica localizado na cidade de Ribeirão das Neves, em Minas Gerais. A ideia, de acordo com Martha Seillier, é realizar mais dois novos empreendimentos em Santa Catarina e no Rio Grande do Sul que servirão de modelo para o resto do Brasil.

– Se esses pilotos derem certo, muitos outros estados vão levantar a mão e demandar esse tipo de modelo. Aí de fato a gente começa a ter uma transformação nesse nosso sistema de segurança pública – destacou.

Ao veículo, a secretária também apontou que o incentivo para os presos trabalharem é que, além do salário, eles reduzam o tempo de suas penas. Parte do salário também irá ajudar a manter o sistema.

– O trabalho é uma opção, mas o presidiário tem dois grandes incentivos para optar pelo trabalho. O primeiro é que reduz a pena. A cada três dias trabalhados é um dia a menos na prisão (…) O segundo é que ele recebe uma remuneração, que não pode ser menor que um salário mínimo. Com parte desse dinheiro, ele vai ajudar a manter o sistema, pagando por hospedagem e alimentação, por exemplo – destacou.

De acordo com o site, o modelo que será utilizado em Santa Catarina prevê que o pagamento aos detentos seja de um salário mínimo. No entanto, a lei de Execução Penal estabelecer que o valor mínimo a ser pago é de três quartos de um salário mínimo.

Sobre o plano do governo para privatizar presídios, Martha Seillier explicou que a ideia inicial da proposta era reduzir o deficit e vagas em unidades prisionais.

– Ao longo do tempo e da modelagem, percebemos que dá para fazer uma política pública que gere renda, oportunidade e diminua o custo para o Estado – disse.

COMENTÁRIOS