Três mulheres foram mortas no fim de semana na Grande Fortaleza

Três mulheres foram mortas no fim de semana na Grande Fortaleza

As três mulheres mortas no Jardim Bandeirantes, Carlito Pamplona e na Pajuçara

Último fim de semana de março termina com 27 mortos em homicídios, acidentes e afogamentos
Quatro mulheres foram mortas no Ceará durante o fim de semana prolongado de folia
Dois policiais militares são presos em flagrante durante brigas no fim de semana

Três mulheres foram mortas no fim de semana na Grande Fortaleza. Os crimes aconteceram em Fortaleza e Maracanaú e a forma como foram praticados se assemelharam: as vítimas foram executadas a tiros e pedradas.

Nenhum suspeito foi preso e a Polícia segue nas investigações para identificar os assassinos. Em apenas duas semanas de 2021, já foram registrados 17 assassinatos de mulheres no estado.

O primeiro assassinato aconteceu na manhã de sábado (16), quando populares se depararam com o corpo de uma mulher no Jardim Bandeirantes, bairro pertencente à cidade de Maracanaú, na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF).

A vítima foi encontrada semidespida e com marcas de muita violência. Foi morta a pedradas. No local, surgiram informações extraoficiais de que a mulher se chamava Vitória. A Polícia não confirmou. A Perícia Forense foi ao local e não descartou a hipótese da vítima ter sido violentada.

Ainda no sábado, outra mulher – sem nenhuma identificação – foi encontrada agonizante, com os cabelos raspados e marcas de tiros nas costas e na nunca. A vítima foi localizada por populares na esquina das ruas Cruzeiro do Sul e Professor José Bonifácio, no bairro Carlito Pamplona. A vítima, em estado gravíssimo, foi levada por uma ambulância do Samu para o IJF-Centro, mas não resistiu.

Na manhã do domingo (17), outra mulher foi assassinada em Maracanaú. O corpo com marcas de tiros na cabeça e apedrejamento foi encontrado no Distrito de Pajuçara. Moradores do local não reconheceram a vítima.

Acredita-se que a mulher tenha sido sequestrada e morta noutro local e o corpo deixado em Maracanaú. A vítima não portava documentos e o corpo foi encaminhado à Coordenadoria de Medicina Legal (Comel) da Perícia Forense do Estado do Ceará (Pefoce), como indigente.