Polícia prende dois suspeitos de participação na chacina de Ibaretama

Polícia prende dois suspeitos de participação na chacina de Ibaretama

A polícia investiga a participação de outros envolvidos na matança

Cenas fortes: facção tortura sobrevivente de chacina; ‘enfiar essa granada no teu c*’
Presa quadrilha que praticou chacina com três mortos em Maranguape no fim de semana
Chacina em Quiterianópolis: assassinos podem ter fugido para o Piauí

Dois homens foram presos suspeitos de participação na chacina que deixou sete pessoas mortas e uma ferida em Ibaretama, no interior do Ceará, na tarde desta sexta-feira (27). A polícia segue fazendo buscas para capturar os envolvidos na matança e apontar a motivação do crime.

Os suspeitos presos foram identificados como Francisco Victor Azevedo Lima, 20 anos, sem antecedentes criminais, e Kelvin Azevedo Lima, 26 anos, com passagens pela polícia por uso de drogas. O local da prisão não foi divulgado.

A chacina ocorreu na madrugada desta quinta-feira (26), quando criminosos chegaram ao local e se passaram por policiais para que abrissem a porta da residência onde o crime aconteceu. Logo em seguida, eles ordenaram que as vítimas se ajoelhassem e começaram a atirar. Uma criança de 6 anos está entre as vítimas.

Em nota, a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) informou que equipes das polícias Civil e Militar do Ceará foram deslocadas à região do crime para que os trabalhos policiais fossem intensificados. Policiais civis do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) e da Coordenadoria de Inteligência da SSPDS participam de todos os levantamentos sobre a chacina.

A Perícia Forense do Estado do Ceará (Pefoce) também foi ao local da ocorrência, na zona rural de Ibaretama, Distrito de Pedra e Cal. Uma aeronave da Coordenadoria Integrada de Operações Aéreas (Ciopaer) também atua nos trabalhos na região.

Seis das vítimas já foram identificadas formalmente, sendo elas: Eduardo de Lima Silva, 19 anos, Luana Melo da Costa 19 anos, Osvaldo da Silva Lima 24 anos, Wellington Lima Silva 17 anos, Francisco Gabriel Pereira da Silva 15 anos, Edinardo de Lima Silva 18 anos e Willian da Silva Rodrigues 6 anos.

Dois mortos eram da mesma família
Dois dos sete mortos na chacina são da mesma família. Osvaldo da Silva Lima e uma criança de 6 anos, identificada como Wiliam da Silva Rodrigues, são tio e sobrinho. A dona da casa onde o crime ocorreu é mãe de Wiliam e irmã de Osvaldo. Ela ficou ferida e foi socorrida para uma unidade hospitalar.

A mãe da dona da casa e de Osvaldo, que não terá o nome identificado, disse ter recebido por telefone a notícia de que familiares haviam sido mortos e uma mulher, baleada. A sobrevivente contou a uma irmã que os criminosos chegaram dizendo que eram policiais e, antes de matar alguns dos moradores, pediram para que as vítimas se ajoelhassem. As vítimas ainda tentaram fugir correndo para o quintal do imóvel, mas foram alvejadas pelos disparos.