Assassinatos de mulheres crescem 48 por cento no Ceará em 2020; São 332 vítimas

Assassinatos de mulheres crescem 48 por cento no Ceará em 2020; São 332 vítimas

Mulheres mortas no interior do estado. Crimes do gênero só aumentam no Ceará

Pandemia da bala: Ceará ultrapassa a marca de 3,5 mil assassinatos em 10 meses de 2020
Segurança Pública confirma aumento dos índices de assassinatos no Ceará no mês de janeiro
Violência deixa 42 mortos em acidentes de trânsito e assassinatos no Ceará no fim de semana

O Ceará deve fechar o ano de 2020 com um aumento aproximado de 50 por cento nos casos de assassinatos de mulheres. Do dia 1º de janeiro a 28 de dezembro o estado já registrou 332 crimes do gênero. Em 12 meses de 2019 esse número foi de 224 casos. O aumento exato é de 48,2 por cento, faltando ainda dois dias para o término do ano.

Dos 332 casos de assassinatos de mulheres neste ano, a maioria ocorreu no Interior. Foram 156 crimes de morte. Já na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), esse número chegou a 94. Outras 82 mulheres foram mortas na capital cearense.

A média no ano é de 27 mulheres assassinadas no Ceará à cada mês. Os casos mais comuns dentro desta estatística são os feminicídios (casos passionais), latrocínios (roubos seguidos de morte), além dos crimes ligados ao tráfico de drogas e à guerra entre facções criminosas.

Cidades

Além de Fortaleza, com 82 mulheres mortas, as cidades que mais apresentaram crimes do gênero foram: Caucaia (com 33 mortes), Sobral (16), Juazeiro do Norte (13), Aquiraz (10), Maracanaú (10), Maranguape (10) e Quixadá (6).

Entre as vítimas figuraram 37 adolescentes com idades entre 12 e 17 anos. A maioria delas foi morta em Fortaleza e na Região Metropolitana, em crimes com ligação no tráfico de entorpecentes e com organizações criminosas.

Figuram ainda na lista das mulheres assassinadas, 11 idosas com idades de 65 a 82 anos.

Jornalista Fernando Ribeiro