conecte-se conosco

Olá o que procuras?

Mundo

Mãe estrangula filha até a morte e esconde corpo no banheiro antes de jogá-la no lixo

Uma mulher estrangulou seu bebê recém-nascido até a morte, foi presa por suspeita de assassinato

A mãe de cinco filhos, identificada apenas pelo seu nome Oleksandra, diz ter assassinado sua filha logo após entregá-la em casa na cidade de Mykolaiv, sul da Ucrânia, na terça-feira.

A jovem de 28 anos teria escondido o corpo da criança em seu apartamento por dois dias, esperando uma oportunidade de jogá-lo fora.
Relatos dizem que a mulher deu à luz seu sexto bebê, deitado na banheira, e estrangulou a recém-nascida até a morte com as próprias mãos apenas segundos depois.

Depois de cortar o cordão umbilical, Oleksandra colocou o cadáver em uma bacia de plástico, cobriu-o com uma pilha de roupas sujas e escondeu-o no banheiro, disseram os investigadores.

Quando perguntada, a mãe negou ter dado à luz uma criança depois que vizinhos preocupados chamaram a polícia. Além disso, ela disse que não conseguia explicar por que sua barriga havia se tornado muito mais liso e menor, de acordo com uma mulher que morava ao lado.

Diz-se que Oleksandra confessou ter dado à luz secretamente uma criança e especificou onde encontrar o corpo quando os policiais estavam prestes a levá-la para exames médicos.

Uma testemunha disse: “ela não queria o bebê, planejava carregá-lo para fora e jogá-lo em um recipiente de lixo depois que seu marido saiu para o trabalho.”

A perícia descobriu que o bebê foi assassinado após o nascimento. Andriy Donets, chefe do departamento de polícia de Mykolaiv, comentou: “A menina nasceu viva e morreu de asfixia mecânica. Significa que ela foi estrangulada até a morte.

O marido de Oleksandra, Mykola, confirmou que ele não sabia que ela estava grávida e pensou que ela tinha engordado. Um processo criminal por assassinato premeditado foi aberto contra a mãe, que enfrenta até cinco anos de prisão se for condenada.

Os filhos gêmeos de 18 meses do casal e os filhos mais velhos, de três, cinco e seis anos, foram levados de casa pelos serviços sociais.
Espera-se que os pais sejam privados dos direitos dos pais, dizem a mídia local.

Propaganda