Prorrogação do auxílio emergencial pode ser aprovada em até três semanas, planeja Guedes

Prorrogação do auxílio emergencial pode ser aprovada em até três semanas, planeja Guedes

As parcelas deverão ser de R$ 250, a um custo total de R$ 30 bilhões

Desembargador humilha a Guarda Civil após multá-lo por não usar máscara; veja vídeo
Morte de ‘Barbie do Tráfico’ foi encomendada por cunhado de líder de facção
Mãe corta fora o órgão de garoto após descobrir que ele abusou da filha de 3 aninhos

Depois do “consenso” fechado entre os presidentes da Câmara, do Senado, e ministros, o governo tentará aprovar a proposta que viabilizará o pagamento da nova rodada do auxílio emergencial em três semanas.

Esse é o prazo com que a equipe econômica trabalha para a aprovação do que o ministro da Economia, Paulo Guedes, chama de “novo marco fiscal”, que seria composto pela inclusão, na Proposta de Emenda Constitucional (PEC) do pacto federativo, de uma cláusula de calamidade pública (uma espécie de PEC de Orçamento de Guerra, semelhante à aprovada no ano passado). As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Isso permitirá retirar os gastos do auxílio emergencial de regras fiscais, como o teto de despesas, mas criaria condicionantes, como medidas automáticas de contenção de gastos. O alcance das medidas ainda está em discussão entre o Ministério da Economia e a área política devido à urgência para a aprovação da “PEC da guerra”. Medidas mais duras poderão ficar para uma segunda PEC fiscal, para ser votada até o fim de julho.