Connect with us

Brasil

Garoto de 13 anos é filmado com as vísceras expostas durante conflito e vídeo e divulgando, assista

Adolescente foi ferido com tiro no abdômen, mas sobreviveu; outro garoto de 17 anos segue internado

Dois adolescentes indígenas, feridos em confronto com o Batalhão de Choque na Fazenda Borda da Mata, em Amambai, continuam internados no Hospital Regional de Ponta Porã. Um deles, conforme o defensor o defensor público Lucas Pimentel, do NUPIIR (Núcleo Institucional de Promoção e Defesa dos Povos Indígenas e da Igualdade Racial e Étnica), que coordenou a assistência aos guarani-kaiowá envolvidos no conflito, um deles, um garoto de 13 anos, está em UTI (Unidade de Tratamento Intensivo).

Ele é o menino que aparece em foto, divulgada pelos indígenas na sexta-feira (24), com as vísceras expostas. Como as informações eram muito desencontradas desde então, chegou-se a cogitar a possibilidade do garoto estar morto. Por enquanto, porém, a única morte confirmada é de Vito Fernandes, de 42 anos, que está sendo sepultado na tarde desta segunda-feira (27).

De acordo com o Hospital Regional de Ponta Porã, o garoto, ferido no abdômen por disparou de arma de fogo, teve lesão no fígado, mas está fora de perigo, embora permaneça em observação em UTI.

O outro adolescente, de 17 anos, foi atingido por tiro na perna direita e também está fora de perigo, mas continuará internado porque precisa passar por cirurgia.

Além dos meninos, outros dois adolescentes e três adultos da comunidade guarani-kaiowá precisaram de atendimento médico após o confronto. Três policiais do Batalhão de Choque também ficaram feridos. Todos, com exceção dos dois adolescentes que estão em Ponta Porã, já tiveram alta.

O confronto – Dois conflitos entre indígenas e policiais militares foram registrados em Mato Grosso do Sul na sexta-feira (24) e aconteceram um dia depois do protesto nacional contra o marco temporal. Em Mato Grosso do Sul, os guarani-kaiowá ocuparam duas áreas nas cidades de Naviraí e Amambai, distantes 359 km e 351 km de Campo Grande, respectivamente.

Em Amambai, o conflito foi na fazenda Borda da Mata, chamada pelos guarani de “Território de Guapo’y”, terminou na morte de Vito Fernandes, além dos vários feridos. O defensor público Lucas Pimentel e o Cimi (Conselho Indigenista Missionário) falam que dezenas de indígenas deixaram de procurar hospitais ao saberem que os feridos levados para o pronto-socorro estavam recebendo voz de prisão.

A gerente da fazenda, Angélica Cristina Silveira Peixer, de 47 anos, alegou que os indígenas invadiram a área e, com a chegada do Batalhão de Choque, chegaram a deixar a fazenda. No entanto, após a saída dos policiais, ainda na quinta-feira (23), quatro indígenas entraram armados na propriedade, fizeram disparos de arma de fogo, ameaças e retomaram novamente o espaço.

Ainda conforme a gerente, no momento em que ela registrou o boletim de ocorrência, no dia 23, o imóvel rural estava ocupado por cerca de 30 indígenas, que, segundo ela, vandalizaram o local e causaram dano no interior da fazenda.

Em entrevista coletiva na sexta-feira (24), o secretário Antônio Carlos Videira disse que havia informação de que o gerente da propriedade rural havia sido expulso de casa, sob violência e que estavam ocorrendo roubos na área. Por isso, o Batalhão de Choque foi enviado. “Não foi reintegração de posse”, disse o secretário.

O Cimi contesta a informação, alegando que o Estado usurpou a competência da PF (Polícia Federal), sabendo se tratar de ocupação envolvendo indígenas.

Trending Posts