conecte-se conosco

Brasil

Adolescente é suspeito de asfixiar e atear fogo nos próprios irmãos de 2 e 4 anos

As crianças foram encontradas carbonizadas dentro de casa

Vicente Costa e Valentim Costa, de 4 e 2 anos, morreram na noite desta segunda (25). Segundo a polícia, adolescente de 16 anos cometeu o crime por ciúmes da mãe, além do ódio que nutria pelo padrasto, pai das vítimas.

Um adolescente de 16 anos é suspeito de matar os dois irmãos mais novos, Vicente e Valentim Costa, de 4 e 2 anos, em Maricá, na Região Metropolitana do Rio, segundo a polícia.

As crianças foram encontradas carbonizadas em casa e o adolescente foi apreendido na noite desta segunda-feira (25).

Conforme a Delegacia de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSG), o adolescente é suspeito de asfixiar os irmãos, mediante esganadura e, em seguida, atear fogo nas crianças ainda vivas.

Segundo a polícia, o crime foi motivado por ciúmes da mãe, além do ódio que nutria pelo padrasto, pai das vítimas. O adolescente foi apreendido por fato análogo ao crime de homicídio qualificado por motivo fútil e encaminhado ao Degase.

Testemunhas contaram que a mãe das crianças havia saído de casa para ir a um comércio e deixou os mais novos com o irmão mais velho. O caso aconteceu na Rua 02, no bairro Cordeirinho.

Quando voltou, ela encontrou os filhos com os corpos em chamas e tentou salvá-los, mas os meninos não resistiram. Ainda segundo testemunhas, o adolescente não estava em casa no momento onde a mãe chegou, mas foi encontrado por vizinhos na região.

A secretaria de Educação de Maricá, na Região Metropolitana do Rio, emitiu uma nota de pesar pela morte das crianças de 4 e 2 anos. Os irmãos eram alunos da rede municipal de ensino:

“A Secretaria de Educação de Maricá manifesta seu mais profundo pesar pelo falecimento dos alunos Vicente Costa e Valentim Costa, ambos matriculados no Ceim Marilza Medina. Em nome de toda equipe, a secretária de Educação, professora Adriana Costa, manifesta solidariedade aos familiares e amigos, neste momento de profunda dor e perda”, disse em nota.

Propaganda