Inocente é preso no Rio por ser parecido com assaltante | Mceara.com
Connect with us

Brasil

Inocente é preso no Rio por ser parecido com assaltante

Família buscou informações de homem preso e informou delegacia. Expectativa é que motorista preso por engano deve ser solto nesta sexta

G1 | A Justiça autorizou a libertação de Antônio Carlos Rodrigues Júnior, de 43 anos, preso porque a polícia achou que ele era parecido com um ladrão. Entre as semelhanças listadas, a polícia chegou a mencionar que os dois usavam óculos escuros. O verdadeiro assaltante já estava até preso e a delegacia não sabia.

Antonio Carlos foi detido há uma semana na casa dele, na Glória, por policiais que fizeram a identificação do suposto criminoso por fotos em redes sociais. O crime é o assalto ao Consulado da Venezuela, no Rio, no início de junho.

Os investigadores da Delegacia Especial de Apoio ao Turismo apontaram, no pedido de prisão, uma suposta semelhança de Antônio Carlos com o bandido que aparecia nas imagens do assalto.

Os argumentos utilizados pela polícia chamaram a atenção da família. O relatório afirma que os dois tinham semelhança “na cor da pele, no formato do nariz e no formato da cabeça”. O relatório dizia, ainda, que “ambos são carecas, têm orelhas grandes, pontudas e voltadas para fora”. Os agentes também ressaltaram uma “forte semelhança” entre os dois quando usavam óculos escuros.

Apesar disso, a consulesa da Venezuela reconheceu em um primeiro momento Antônio Carlos como um dos assaltantes. A família dele, revoltada, começou a investigar por conta própria. E descobriu que o verdadeiro bandido já estava até preso, em Bangu. Antonio Carlos tem 43 anos. Trabalha como motorista de aplicativo. Tem um filho e um neto.

Outro caso – A família de Eduardo Nery vive angústia parecida com a de Antônio Carlos. Ele também está preso em Benfica há nove dias. O técnico de áudio foi detido ao desembarcar no aeroporto internacional do Rio, depois de viver um ano na Irlanda.

A família diz que o mandado de prisão era por um estelionato, cometido há mais de 15 anos, em Minas Gerais e acredita que o mecânico teve documentos falsificados. A família já moveu uma ação pedindo que ele seja liberado.

Propaganda

Copyright © 2018 MCeara. Todos os direitos reservados ao Sistema MassapeCeara de Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuição sem prévia autorização.