Siga-nos nas redes sociais

Brasil

Ministro ordena bloqueio de redes sociais e WhatsApp de críticos do STF

Alexandre de Moraes determinou que a Polícia Federal realizasse busca e apreensão na casa de pessoas que postaram mensagens contra o Supremo

Publicados

em

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou o bloqueio de contas em redes sociais e do WhatsApp de sete pessoas investigadas por publicarem ofensas contra a Corte.

Em decisão sigilosa, o magistrado diz que foram verificadas mensagens com “conteúdo de ódio e de subversão da ordem” direcionadas ao STF. Os suspeitos foram alvos de busca e apreensão realizada pela Polícia Federal no Distrito Federal, em Goiás e em São Paulo nesta terça-feira, 16.

Trecho de decisão proferida pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (REPRODUÇÃO/VEJA)

A medida é resultado de uma investigação instaurada a pedido do presidente da Corte, ministro Dias Toffolli, em 14 de março. O objetivo desse inquérito, relatado por Moraes, é apurar notícias falsas, denunciações caluniosas e ameaças que “atingem a honorabilidade e a segurança do Supremo Tribunal Federal, de seus membros e familiares”. Uma das postagens que entraram na mira do STF foi publicada por um policial civil do estado de Goiás com o seguinte teor: “O nosso STF é bolivariano, todos alinhados com os narcotraficantes e corruptos do país. Vai ser a fórceps”. Em outra mensagem, o suspeito diz: “O Peru fechou a corte suprema do país. Nós também podemos. Pressão total contra o STF”. O ministro chama a atenção para o fato de o envolvido andar “constantemente armado”.

Em outro caso, o investigado disse nas redes sociais que o “STF soltou até traficante” e que “é desanimador o fato de tantos brasileiros ficarem alheios ao que a quadrilha STF vem fazendo contra a nação”. Segundo o ministro Alexandre de Moraes, essas publicações revelam uma “propaganda com o objetivo de alteração da ordem política e social”.

VEJA

Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Brasil

Padrasto mata bebê a socos, porque ela não queria dormir

A menina de um ano e três meses sofreu traumatismo craniano, não resistiu aos ferimentos e morreu

Publicados

em

Uma bebê de um ano e três meses morreu na manhã desta sexta-feira (19), depois de ser espancada pelo padrasto dentro de sua própria casa. O padrasto, Gabriel Felizardo Silva, de 21 anos, tentou a princípio fingir que a menina tinha caído sozinha, mas, depois, assumiu ter dado socos na enteada porque ela estava chorando e se recusava a dormir.

O caso aconteceu em Santa Rita do Araguaia (GO). A menina chegou a ser socorrida em um hospital da cidade, mas devido à gravidade dos ferimentos, precisou ser transferida para Rondonópolis (220 km de Cuiabá), onde veio a falecer.

Conforme informações do Gazeta Mineiros Notícias, que conversou com o delegado da Polícia Civil de Mineiros (GO) Júlio César Arana, responsável pelo caso, e com o padrasto, Gabriel, que assumiu em vídeo (veja no fim da matéria) a autoria do crime, a mãe da menina dormia quando os socos aconteceram e acreditou na primeira versão do companheiro.

Assim que avisada, a mãe levou a filha, na companhia do padrasto, para o hospital, onde a equipe médica achou estranha a versão de que a bebê teria caído de uma cama, ou de um berço, e acionou a polícia.

Rapidamente a Polícia Civil pediu que fosse realizada uma perícia na casa da família, em Santa Rita do Araguaia (GO), onde foram encontradas marcas de sangue em vários cômodos e, inclusive, na camiseta do padrasto, o que levantou suspeitas contra ele.

“Situações que confrontavam as versões inicialmente apresentadas, que a criança, teoricamente, teria caído de uma cama, ou de um berço onde ela estava, e em virtude disso teria sofrido as lesões”, disse o delegado Júlio Cesar ao Gazeta Mineiros.

O delegado então pediu para ouvir o padrasto e foi surpreendido quando Gabriel assumiu o crime imediatamente, afirmando que agrediu a enteada sozinho e contando como o crime teria acontecido.

“Ele falou que tinha bebido muita bebida alcoólica de madrugada e teria ido levar duas testemunhas que estavam bebendo com ele e, no retorno [quando Gabriel chegou em casa], a criança estava chorando muito e ele, absolutamente descontrolado com a ingestão de bebida, acabou agredindo com muitos socos na parte frontal e na nuca [do bebê]”, disse o delegado.

Com as agressões, a bebê desmaiou e caiu. Ele então foi até o quarto em que a companheira e mãe da criança dormia, a acordou e inventou que a menina apenas tinha caído, ao que ela acreditou. Os três foram para o hospital, contaram a história da queda e a denúncia da equipe médica deu início às investigações.

A bebê estava em estado grave, pois havia sofrido traumatismo craniado, e, por isso, foi encaminhada para um hospital de Rondonópolis. Pouco depois, a equipe médica do hospital entrou em contato com a Polícia Civil e informou que a bebê não havia resistido aos ferimentos e morrido.

Em entrevista, Gabriel felizardo Silva contou ao Gazeta Mineiros Notícia como o crime aconteceu.

“Eu estava tomando uma cerveja em casa, depois fui levar minhas primas embora, aí quando cheguei a criança estava no meio da sala chorando que não queria dormir. Eu coloquei ela pra dormir de novo, ela não quis. Aí eu peguei, me descontrolei e bati nela de mão fechada”, contou o padrasto.

Depois disso, segundo Gabriel, ele colocou a bebê na cama e ela desmaiou e caiu. O padrasto foi preso em flagrante e responderá pelo crime de tortura qualificada, com aumento de pena por ser contra uma criança, e homicídio, que deverá ser qualificado como feminicídio, com pena também aumentada. O crime de tortura é inafiançável.

O LIVRE

Continue lendo

Brasil

Pai desmaia durante parto do segundo filho e foto viraliza; mãe caiu na gargalhada

Segura essa emoção, papai! ❤🤣🍼

Publicados

em

Pai desmaia durante parto do filho e foto viraliza pelas redes sociais; Duileu Edmilson Couto, de Navegantes, em Santa Catarina, se preparava para o nascimento do segundo filho, quando desmaiou. A mãe, Mariana Reiser, caiu na gargalhada e pediu para uma amiga do casal registrar a cena.

O registro foi na Maternidade Santa Luisa, em Balneário Camboriú, e assim que postado nas redes, viralizou. O casal tem uma filha de 3 anos, mas a emoção tomou conta e Duileu acabou desmaiando. Ele teria passado mal quando viu a pediatra sugando o líquido amniótico, já que tem “pavor” de sangue.

Continue lendo

Brasil

Por cachaça, pai mata filho com golpes de facão nas costas na sexta-feira Santa e é preso

O crime ocorreu após o consumo de álcool em excesso por parte do pai. O filho morreu com dois golpes nas costas

Publicados

em

Um homem de 56 anos foi preso após matar o filho com dois golpes de facão nas costas, na madrugada de quinta-feira (18/04/2019) para sexta-feira (19/04/19), depois de briga causada pelo consumo excessivo de bebidas alcoólicas. O crime ocorreu na cidade de Vicência, próxima a Recife, em Pernambuco e o início teria sido uma disputa em torno da última garrafa de cachaça.

O acusado foi preso em flagrante pela Polícia Civil, em ação conjunta com a Polícia Militar. A vítima, de 26 anos, foi levado ao Hospital da Restauração (HR), em Recife, e faleceu na manhã desta sexta.

Por meio de nota enviada nesta sexta-feira, a Polícia Civil informou que Luiz Inácio Barbosa da Silva, de 56 anos, foi preso em uma ação conjunta com a Polícia Militar.

O pai e o filho tinham um histórico de brigas e havia um inquérito aberto para apurar casos de agressões físicas entre eles . “Eram brigas corporais e lesões leves. Agora, a agressão foi mais forte. Quando chegou à delegacia, Luiz Inácio disse que tinha bebido muito”, comentou o delegado responsável pelo caso, William Matheus segundo reportagem dos sites locais.

O acusado, agora, será apresentado em audiência de custódia.

Metrópoles 

Continue lendo

Brasil

Criança de 11 anos é estuprada com consentimento da família; ela já teria sido abusada pelo tio

Eraldo Balieiro de Carvalho, de 37 anos, acusado de violentar sexualmente uma criança de 11 anos

Publicados

em

Eraldo Balieiro de Carvalho, de 37 anos, foi preso na última sexta-feira (20). Ele é acusado de abusar sexualmente de uma criança de 11 anos, na região do Rio Tajapuru, no município de Breves, no Marajó, no Pará.

Após denúncia anônima, a polícia foi até o local e descobriu que a menina estaria vivendo uma relação permanente com o abusador, que estava morando há três meses na casa da família.

“Diante dessa situação grave, a equipe policial efetuou a abordagem no local, identificou a criança e confirmou que ela estava sendo violada e violentada sexualmente”, explica a delegada Vanessa Macedo, Superintendente Regional de Polícia Civil que está acompanhando o caso.

Ainda segundo a delegada, a família tinha conhecimento da violência. A investigação apontou ainda, que essa não foi a primeira vez. A criança também já teria sido abusada por um tio.

“A criança informou que houve uma tentativa de abuso e que ele teria feito um ato libidinoso, sexual. Ele foi detido. A vítima foi encaminhada para exame sexológico forense e em virtude dessa violação da própria família, da conivência com a violação, sendo que a menina ainda é uma criança de 11 anos, ela será encaminhada para o abrigo”, explicou Vanessa.

DOL

Continue lendo

Brasil

Mulher grávida tenta salvar filho em represa e os dois acabam mortos

Uma mulher de 24 anos e seu filho de cinco morreram afogados no final da tarde de ontem em Itaí, município a cerca de 300 quilômetros de São Paulo

Publicados

em

Camila Bianca Pereira da Silva, grávida de sete meses, e o filho Erick Miguel da Silva Alves passavam a tarde na represa de Jurumirim. O menino e seu padrasto brincavam, quando a criança caiu em um buraco de maior profundidade.

Camila então saltou à água para resgatá-lo, mas não teve sucesso. O menino até foi retirado da represa e passou por primeiros socorros realizados por pessoas que estavam no local. Já Camila só foi retirada da água apenas quando o Corpo de Bombeiros chegou ao local, por volta das 17h de ontem. Segundo a corporação, ela já estava sem pulso quando os bombeiros chegaram, mas ainda em estado considerado reversível.

Camila e Erick foram levados para o pronto-socorro de Avaré (SP). No caminho, os bombeiros tentaram uma reanimação cardiopulmonar, mas, um pouco mais tarde, os dois morreram no hospital.

Com quase 500 quilômetros quadrados de área inundada, a represa de Jurumirim banha dez municípios. É uma das maiores do estado de São Paulo e cartão postal da cidade de Avaré. Segundo os Bombeiros, a represa não possui uma grande profundidade, mas têm valas e calhas mais fundas. Foi numa dessas valas que Erick caiu e começou a se afogar.

Continue lendo

Recomendamos

Publicidade