Menina morre após sofre abusos graves que os médicos legista jamais tinham visto - Mceara.com
Siga-nos nas redes sociais

Mundo

Menina morre após sofre abusos graves que os médicos legista jamais tinham visto

“Este foi o caso mais grave que já vi”, disse o médico legista do hospital

Na semana passada, um casal do estado do Mississipi foi detido, após as autoridades terem determinado que haviam repetidamente abusado de uma jovem de 16 anos de idade que estava sob seus cuidados antes da sua morte no mês passado.

O Departamento do Xerife do Condado de Clarke, anunciou em um post no Facebook na última terça-feira que eles prenderam Allen McGay e Shakeithia McGay sob acusações de abuso infantil. Greg Fairchild, médico legista do Condado de Clarke, disse ao Mississippi Clarion-Ledger que uma autópsia preliminar revelou que a vítima sofreu contusões e lacerações na cabeça, rosto e corpo que eram consistentes com “uma surra”.

Fairchild disse ainda que a vítima tinha lesões que estavam em vários estágios de cura, o que sugere que havia um padrão de abuso.

Fairchild contou à agência de notícias que um parente da menina, que não eram seus tutores legais, a levou ao hospital em 30 de outubro. Ela morreu na manhã seguinte.

Citando a polícia, o Ledger relatou que os policiais inicialmente entrevistaram e libertaram os McGays, mas depois os recolocaram à vista do resultado preliminar da autópsia.

Fairchild também disse que o Laboratório Criminal do Estado está investigando se o jovem de 16 anos tinha uma condição cardíaca oculta antes de declararem oficialmente o motivo e a forma da morte.

Enquanto os relatórios iniciais identificavam os McGays como os pais da menina, o Ledger atualizou sua versão da história de forma a demonstrar que o casal era seu responsável legal.

Poderiam ser apresentadas acusações adicionais neste caso, uma vez que o alegado abuso não foi oficialmente atribuído à morte da menina. Enquanto isso, os McGays permanecem sob custódia.

Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *