Siga-nos nas redes sociais

Brasil

Mãe é presa após afogar seu bebê em represa porque estaria com HIV

De acordo com a polícia, represa fica em uma propriedade dos pais da jovem que confessou ter escondido a gravidez. Parto foi feito dentro banheiro da casa dela

Publicados

em

Uma vendedora de 25 anos foi presa em Itaquiraí, a 395 km de Campo Grande, após confessar ter afogado o próprio filho em uma represa do município. A mulher foi localizada após três semanas de investigações e disse que cometeu o crime em um “momento de bobeira”.

“Ela foi intimada e, na delegacia, confessou o ocorrido, ressaltando que não fez pré-natal, é portadora de HIV e então provavelmente a criança nasceria com a doença. Sobre o pai, não foi revelado por ela quem seria esta pessoa”, afirmou ao G1 o delegado Edson Ruiz Ubeda, responsável pelo inquérito policial.

De acordo com a polícia, a jovem escondeu a gravidez da família e fez o parto sozinha, dentro do banheiro de casa, no dia 15 de dezembro. Dois dias depois, o pai dela encontrou o recém-nascido na represa, que fica na propriedade dele. O homem não sabia do que se tratava, e chamou um vizinho. Em seguida, a Polícia Militar (PM) foi até o local.

As investigações apontaram que, na última gestação, a mulher também escondeu a gravidez até o nascimento da criança. Ela foi intimada há 2 dias e compareceu, nessa quarta-feira (9), para o depoimento. A mulher então contou que a criança nasceu por volta de 8h (de MS) e ela não chegou a procurar nenhuma ajuda médica pós-parto, cortando sozinha o cordão umbilical e enrolando a criança em um cobertor.

Segundo a polícia, a mulher tem outros 2 filhos, um deles é portador de HIV. Na ocasião do crime, o filho mais velho foi levado até a casa dos pais dela, e o filho mais novo acompanhou-a até a propriedade rural, onde ela retirou o cobertor do bebê e jogou-o no açude.

Consultada pela polícia se a criança estava viva, a mãe disse que a criança nasceu chorando, mas no momento em que ela jogou o bebê na água, não estava. Por esse motivo, a mulher imaginou que a criança estava morta.

De acordo com o delegado, a jovem confessou também que escondeu a gravidez dos filhos e afirmou que ninguém sabia que ela era portadora de HIV. Em depoimento, afirmou que arrependeu-se do que fez.

Sem antecedentes criminais, a mulher não permaneceu presa e deve ser indiciada pelos crimes de homicídio qualificado por motivo torpe, ocultação de cadáver e a pena pode aumentar por a vítima ser uma criança menor de 14 anos.

Matéria do G1

Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Brasil

Funcionários cortam energia elétrica de facção criminosa e são executados; Assista

O duplo homicídio ocorreu na manhã desta terça-feira, 15, na região metropolitana de São Luís. Polícia ainda não prendeu suspeitos do crime

Publicados

em

Na manhã desta terça-feira (15), por volta das 9h20, dois colaboradores da Companhia Energética do Maranhão (Cemar) foram mortos a tiros dentro do carro da empresa, no Sítio Natureza, no Paço do Lumiar, região metropolitana de São Luís, no Maranhão.

Segundo as primeiras informações da Polícia Militar, ainda é cedo para se dizer ao certo o que pode ter levado ao duplo assassinato, mas supõe-se que a motivação tenha sido o corte de energia de uma residência da região. João Victor Melo e Francivaldo Carvalho da Silva morreram instantaneamente, dentro do veículo.

Viaturas do 22º Batalhão e do Centro Integrado de Polícia e Segurança (CIOPS) estão no local, assim como o Instituto Médico Legal (IML) e o Instituto de Criminalística (ICRIM), para fazer os levantamentos.

A polícia suspeita de que os disparos tenham partido de dois homens que dirigiam uma motocicleta. Diferente do que tem se veiculado em alguns meios de comunicação, ninguém foi preso até agora. A Polícia Civil fica encarregada da investigação do caso.

Em nota, a Cemar se pronunciou sobre o caso:

Nota de Esclarecimento

A Cemar e o Consórcio Norte, empresa prestadora de serviços, informam que irão acompanhar os trabalhos de investigação pelas autoridades policiais do homicídio ocorrido na manhã desta terça-feira (15), no Sítio Natureza, em Paço do Lumiar, vitimando os colaboradores João Victor Melo e Francivaldo Carvalho da Silva.

Cabe esclarecer que a Companhia e o Consórcio Norte irão acompanhar e colaborar com o trabalho de investigação da polícia, que deverá identificar as causas que levaram ao homicídio.

Neste momento as empresas lamentam e se solidarizam com os familiares e estão empenhadas em prestar toda assistência necessária.

Assessoria de Imprensa da Cemar

Matéria do O Impacial

Continue lendo

Brasil

Mulher flagra companheiro abusando do filho de três anos; “ele tava rasgando meu bebê”, disse a mãe

O flagrante aconteceu no sábado (12) no bairro Meladão, Zona rural de Floriano, região Sul do Piauí

Publicados

em

Uma mulher, que não teve a identidade revelada, flagrou o filho de três anos sendo abusado pelo companheiro. O flagrante aconteceu no sábado (12) no bairro Meladão, zona rural de Floriano, região Sul do Piauí.

De acordo com delegado Marcelo Leal, Gerente de Policiamento do Interior, a mãe da criança estava fazendo atividades domésticas quando sentiu falta do filho e ao procurá-lo encontrou o menino sendo abusado pelo padrasto.

“O delegado Danilo Reis que estava de plantão no fim de semana em Floriano nos repassou que mãe flagrou o filho despido, juntamente com companheiro. Ao ver aquela cena absurda, ela alarmou e o homem fugiu“, contou.

Marcelo Leal disse que a criança fez exame de corpo delito e a polícia aguarda o resultado do exame. O delegado explicou que o inquérito policial foi instaurado e aguarda resultado do exame que irar informar se houve ou não conjunção carnal ou somente ato libidinoso. Hoje, a legislação prevê que o crime de estupro está configurado mesmo sem a conjunção.

Matéria do G1

Continue lendo

Brasil

Homem decepa pênis de parceiros e joga no lixo

Ataques aconteceram entre 31 de dezembro e 1] de janeiro; uma das vítimas está internada e suspeito foi preso

Publicados

em

Um homem decepou e jogou no lixo os órgãos sexuais de dois homens que fizeram programas com ele, em Presidente Venceslau, interior de São Paulo. Uma terceira vítima teve o pênis ferido, mas escapou antes que fosse cortado totalmente. Os ataques aconteceram entre 31 de dezembro e 1º de janeiro deste ano e uma das vítimas ainda está internada. O suspeito foi preso. O esclarecimento dos crimes foi anunciado nesta sexta-feira, 11, em entrevista coletiva, pela Polícia Civil da cidade.

Conforme o delegado Everson Aparecido Contelli, o mutilador escolhia vítimas em estado de vulnerabilidade – pessoas que estavam consumindo bebidas alcoólicas -, e as embriagava até que estivessem sem condições de reação. Em seguida, ele usava uma faca ou tesoura para decepar o pênis. Os dois primeiros ataques aconteceram no intervalo de poucas horas, próximo do centro de Presidente Venceslau. As vítimas foram encontradas em estado de choque. Levadas ao hospital, foi constatada a mutilação.

No terceiro ataque, a vítima, um homem de 50 anos reagiu e conseguiu escapar, na madrugada do dia 1º, numa praça da cidade. Ele pediu socorro e o agressor fugiu. Nos três casos, o ataque aconteceu quando o suspeito praticava sexo oral nas vítimas. De acordo com o delegado Adalberto Gonini Junior, que também atuou no caso, a investigação chegou ao suspeito depois de ouvir testemunhas e analisar imagens de câmeras, já que as vítimas, por estarem embriagadas na ocasião, não conseguiram fornecer uma boa descrição do agressor.

No depoimento, o mutilador disse que agiu depois de usar crack e não se recorda de como se deram os fatos. Ele contou ter acordado na casa em que morava sozinho, no dia seguinte, e achado os dois pênis cortados ao lado do colchão. O homem colocou os membros em um saco de lixo e colocou em frente da casa para ser levado pelo caminhão da coleta.

Conforme o delegado, o preso, de 43 anos, cumpria em regime aberto pena pela prática de crimes sexuais – ele abusara sexualmente de dois garotos. Conforme a Polícia Civil, testemunhas relataram que o suspeito era pessoa integrada à sociedade e trabalhava como faxineiro, cabeleireiro e cozinheiro. O homem vai responder a inquéritos por lesões corporais de natureza gravíssima.

Matéria do Estadão

Continue lendo
Publicidade