Connect with us

Brasil

‘Loba do Tinder’ é presa por usar apps para aplicar golpe em homens “solitários”

Patrícia Coutinho Pereira extorquia vítimas, principalmente homens casados, que conhecia em aplicativos de relacionamento

Publicado

em

A Polícia Civil do Distrito Federal prendeu nesta segunda-feira, 5, uma mulher suspeita de aplicar golpes em homens que conhecia por meio de aplicativos de relacionamento. Patrícia Coutinho Pereira, de 29 anos, a “loba do Tinder”, é investigada desde maio do ano passado e foi indiciada pelos crimes de difamação, estelionato e extorsão.

Segundo o delegado João de Ataliba Nogueira, da 1ª Delegacia de Polícia de Brasília (Asa Sul), a investigação começou após a denúncia de uma das vítimas. O homem – um servidor público federal – afirmou que estava no fim de seu casamento e começou a sair com Patrícia depois de conhecê-la no Tinder.

Patrícia se apresentava como empresária do ramo de cosméticos e dizia que seu dinheiro estava todo aplicado e, por isso, precisava de ajuda para o pagamento de contas e despesas diárias. O servidor, então, passou a realizar transferências e depósitos bancários para a conta de um terceiro, que, segundo as investigações, era outra vítima da suspeita.

“Ela usava toda essa teia de crimes para não deixar rastros, não usava sua própria conta bancária”, disse o delegado, em entrevista coletiva.

De acordo com a polícia, o servidor teve prejuízo de R$ 50 mil durante seis meses com os golpes aplicados pela “loba do Tinder”. Quando a vítima tentou encerrar o relacionamento, Patrícia passou a extorqui-lo e ameaçou divulgar o caso entre os dois nas redes sociais, entrar em contato com a família do homem e ir até o seu trabalho para difamá-lo.

Ao apreender o celular de Patrícia, os policiais encontraram conversas que indicavam que outras pessoas foram vítimas do golpe aplicado por ela.

“Vários homens, estamos tentando quantificar quantas vítimas foram e qual foi o prejuízo estimado, quantos crimes de extorsão, quantos de ameaça, quantos de estelionato”, declarou Nogueira.

Patrícia Coutinho Pereira, de 29 anos, é conhecida como ‘loba do Tinder’ Foto: Polícia Civil

Golpe

O delegado explicou que a suspeita agia de três modos para aplicar os golpes. “O primeiro era quando ela não tinha um relacionamento sexual com a vítima que conhecia através de aplicativos. Ela dizia que um parente tinha morrido, falava que o dinheiro estava aplicado, e pedia um empréstimo para ir ao enterro”, afirmou Nogueira. “Ela matou a vó umas quatro vezes; a mãe, umas cinco.”

Depois de se aproximar das vítimas – homens casados principalmente -, Patrícia dizia que era empresária e que seu dinheiro estava aplicado.

Por fim, ao descobrir que o homem era casado, ela exigia dinheiro para não denunciar a relação extraconjugal.

Os investigadores descobriram que algumas mulheres também foram vítimas, incluindo uma DJ do Distrito Federal. Foragida desde maio, Patrícia aplicou golpes em outras regiões do País. “Ela tentou extorquir dois empresários no interior de São Paulo, um homem e uma mulher”, disse Nogueira.

Falsa comunicação de crime

A Polícia Civil informou que Patrícia registrou um boletim de ocorrência por violência doméstica na Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam) contra o servidor que a denunciou. Além disso, fez uma representação no Ministério Público contra o delegado Nogueira por abuso de autoridade em relação a um mandado de condução coercitiva contra ela.

Conforme o policial, as ações foram uma retaliação à apreensão de seu celular. O Ministério Público concluiu que Patrícia havia mentido sobre a forma como foi conduzida à delegacia. Já a Deam arquivou a ocorrência por não constatar violência doméstica.

Patrícia foi processada pelo crime de denunciação caluniosa e condenada a uma pena de três anos e seis meses de reclusão.

O Estado não conseguiu até o início da noite desta terça-feira, 6, contato com a defesa de Patrícia.

Matéria do Estadão

Propaganda
Clique e comente

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Brasil

Namorado de 19 anos queima e mata mulher de 18 anos grávida por não querer ter o filho

Crime ocorreu na última sexta-feira (9), em Embu das Artes, na Grande SP. Suspeito confessou o crime, informou a Secretaria de Segurança Pública

Publicado

em

Por

Um homem de 19 anos foi preso nesta segunda-feira (12) sob a suspeita de queimar e matar a mulher grávida, de 18 anos, em Embu das Artes, na Grande São Paulo.

O corpo de Valéria Rodrigues da Cunha foi encontrado parcialmente carbonizado, por volta de 17h, na sexta-feira (9), na rua Zirok, no Parque Industrial. Policiais militares foram acionados após uma denúncia e, ao chegarem ao local, encontraram a vítima. O caso foi registrado na Delegacia de Embu das Artes, que posteriormente solicitou perícia ao local, exame necroscópico e carro de cadáver.

De acordo com Bernardo Armani, repórter da RecordTV, a jovem estava grávida de cinco meses e o suspeito não queria ter o filho. Os dois discutiram antes de ele assassiná-la.

A morte de Valéria foi explicada pelos investigadores da Polícia Civil. Em nota, a SSP (Secretaria de Segurança Pública) informou que o homem, com quem a vítima mantinha um relacionamento amoroso, confessou o crime. “O delegado o indiciou por homicídio”, disse a nota.

Matéria do R7

Continue lendo

Brasil

Ex-prefeito é morto pelo pai após ser confundido com assaltante, na PB

Filho foi até a casa do pai após ser chamado por vizinhos porque uma fumaça estava saindo da casa dele

Publicado

em

Por

O ex-prefeito da cidade de Baraúna, no Curimataú da Paraíba, foi morto pelo pai após ser confundido com um assaltante na noite desta segunda-feira (12). De acordo com a Polícia Civil, Alyson Azevedo tinha 37 anos e foi até a casa do pai, Adilson Azevedo, também ex-prefeito da cidade, depois de ser chamado por vizinhos porque uma fumaça estava saindo da casa dele e ninguém conseguia acordá-lo.

Alyson correu até a casa do pai e tentou arrombar a porta. Nesse momento, o pai atirou de dentro da casa contra o filho achando que se tratava de um assalto. Alyson Azevedo foi baleado no peito, chegou a ser levado para o Hospital de Picuí, mas não resistiu e morreu.

A fumaça que saía da casa e chamou a atenção dos vizinhos era de uma panela que estava no fogão. O pai, Adilson Azevedo, vai prestar depoimento à polícia nesta terça-feira (13) sobre o caso.

Alyson Azevedo foi eleito prefeito da cidade de Baraúna em 2008, pelo MDB, enquanto seu pai, Adilson Azevedo, foi o candidato eleito das Eleições 2000, pelo mesmo partido, na época ainda PMDB.

Matéria do G1

Continue lendo

Brasil

Mulher é presa por decapitar e esconder o corpo do ex-marido

Uma nova investigação foi iniciada porque um ex-namorado da suspeita também teria sido assassinado anos atrás

Publicado

em

Por

Uma mulher de 38 anos foi presa temporariamente nesta sexta-feira suspeita pelos crimes de homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver de seu ex-marido, o pedreiro Edivaldo Dias, de 38 anos. O corpo da vítima foi encontrado sem a cabeça no dia 16 de outubro deste ano por moradores da área rural de Colombo, Região Metropolitana de Curitiba. A mulher foi presa em Rio do Sul (SC) por policiais civis da Delegacia de Almirante Tamandaré. As informações são da Polícia Civil do Paraná.

O delegado também esclareceu que uma nova investigação foi iniciada porque um ex-namorado da suspeita também teria sido assassinado anos atrás.

Segundo a investigação, Edivaldo já estava desaparecida desde o dia 13 de outubro. Dias depois, os moradores foram averiguar, por terem visto rastros de sangue no matagal, e se depararam com o corpo decapitado. No outro dia, crianças curiosas com a situação foram até os arredores e acharam a cabeça da vítima, que foi sepultada separadamente ao corpo.

De acordo com o delegado responsável pelo caso, a mulher era a principal suspeita. “No dia 13, quando Dias desapareceu, havia uma ligação em seu celular realizada pela suspeita às 5 horas da manhã e já existiam Boletins de Ocorrência registrados pela vítima contra ela, dando conta de que teria tentado esfaqueá-lo. Também recebemos uma denúncia anônima dando conta de que ela seria a suspeita pelo crime e dias após o desaparecimento da vítima, teria levado seu carro a um lava-jato a cerca de 25 km de distância de sua residência”, revela.

Ao todo cinco testemunhas foram ouvidas, entre elas duas sigilosas. A suspeita estava foragida em Rio do Oeste (SC) e foi presa por policiais da Delegacia de Almirante Tamandaré, para onde foi encaminhada e permanece à disposição da Justiça.

Matéria do O Dia 

Continue lendo
Advertisement