conecte-se conosco

Oi, o que você está procurando?

Mceara.com

Brasil

Jovem que torturou e matou irmão de 5 anos fez pesquisas sobre demônios antes do crime, diz polícia

Inquérito da Polícia Civil de São Roque (SP) foi concluído e encaminhado ao Ministério Público. Maycon Aparecido da Silva Roque foi morto pela irmã dentro de casa

Mceara.com 2019 05 10 18.21.20 MassapeCeara.com

A investigação da Polícia Civil de São Roque (SP) apontou que Karina Aparecida da Silva Roque, presa por torturar e matar o irmão de 5 anos, fez buscas na internet por conteúdos explicativos sobre tipos de demônios e magia negra na semana do crime, cometido no início de abril. O inquérito sobre o caso já foi concluído e o G1 teve acesso ao documento.

Segundo a investigação, a jovem de 18 anos enviou links das pesquisas para uma amiga, que levou o conteúdo à polícia após o crime. Entre as pesquisas feitas por Karina estão termos como “demônio da insônia”, “demônio da pornografia”, “Lúcifer” e “pentagrama associado a magia negra”, além de uma imagem em preto e branco de uma cena de enforcamento.

Propaganda. Role para continuar lendo.

Em entrevista a uma rádio local, a mãe de Karina, Daniela Cordeiro da Silva, contou que, no dia do crime, a jovem disse a ela que se chamava Sabrina. A informação foi confirmada pela polícia. Coincidentemente, Sabrina é o nome da protagonista de uma série exibida por um serviço de streaming que trata de assuntos como bruxaria e magia negra.

“Quando cheguei, a porta estava fechada, ela já estava estranha, estava quebrando o celular, falou que eu não era mãe dela, que era para eu ficar de joelho e disse que o nome dela era Sabrina. Estava com a voz estranha, não era ela”, comentou.

Propaganda. Role para continuar lendo.

O laudo do Instituto Médico Legal (IML) apontou que o irmão da jovem, Maycon Aparecido da Silva Roque, foi morto com requintes de crueldade e, de fato, foi torturado, ou seja, chegou a sofrer algumas lesões enquanto ainda estava vivo, na casa da família, no bairro Gabriel Piza, em São Roque.

Durante as investigações, a polícia também ouviu a família dos irmãos e todos disseram que Karina cuidava bem de Maycon e, inclusive, apresentava hábitos normais de uma jovem de 18 anos.

Propaganda. Role para continuar lendo.

Porém, uma semana antes do crime ela passou a ter um “comportamento alterado”, não dormia bem e falava pouco, relatou a família à polícia.

A amiga da suspeita ainda disse à polícia que Karina chegou a contar que sonhou que iam matar alguém da família dela e iam culpá-la. Os prints da conversa da jovem com a amiga foram anexados ao inquérito policial, que já foi entregue ao Ministério Público.

Propaganda. Role para continuar lendo.

Crime

Inicialmente, Karina confessou à Polícia Militar que, na noite do dia 4 de abril, asfixiou o irmão com um travesseiro. Depois que o menino já estava morto, segundo o boletim, ela contou que furou os olhos do menino, decepou e comeu o pênis, e ainda queimou os pés dele.

Segundo a Polícia Civil, o laudo do IML revelou que, na verdade, o menino teria sofrido algumas dessas lesões enquanto ainda estava vivo. Porém, a polícia optou por não revelar as especificações do crime.

Propaganda. Role para continuar lendo.

A polícia concluiu que Karina praticou o crime sozinha, sem auxílio de outras pessoas. A perícia feita no celular dela, que foi encontrado queimado, não conseguiu recuperar o conteúdo do aparelho. Um chip também foi periciado e não levou a outros envolvidos no crime.

O Ministério Público denunciou a jovem na segunda-feira (6) por homicídio qualificado por motivo torpe e emprego de crueldade, traição, dissimulação, impossibilidade de defesa da vítima e ocultação de cadáver, além de tentativa de homicídio por ter dado uma pedrada no tio e maus-tratos por ter mordido o cachorro da família.

Propaganda. Role para continuar lendo.

Karina teve a prisão preventiva decretada após passar por audiência de custódia e, com isso, foi encaminhada à cadeia feminina de Votorantim (SP).

Depois, a jovem foi levada para Tremembé (SP), onde permanece em uma cela isolada e tomando banhos de sol em horários diferentes das outras detentas.

Propaganda. Role para continuar lendo.

Entenda o caso

Na noite do crime, vizinhos relataram terem ouvido “gritos de desespero” vindos da casa da família, no bairro Gabriel Piza.

O caso foi descoberto quando a mãe dos irmãos chegou ao local e foi impedida de entrar. A mulher chamou um cunhado, que arrombou a porta, encontrando o menino morto com sinais de tortura e cercado por velas.

Propaganda. Role para continuar lendo.

A jovem foi contida pelo tio, que acabou atingido por ela com uma pedrada na cabeça. A garota ainda chegou a morder o cão da família, que avançou nela enquanto era rendida pelo parente.

Após ser encaminhada à delegacia, Karina permaneceu em silêncio, não confirmando a versão apresentada inicialmente à PM no local do crime.

Propaganda. Role para continuar lendo.

Questionada sobre a relação de Karina e Maycon, a mãe disse que, apesar de desentendimentos corriqueiros de irmãos, os dois trocavam carinhos e se davam bem.

“Ela amava o irmão e falava em proteger caso eu faltasse um dia. Ela dizia que iria cuidar dele como filho, tinha respeito, era um relacionamento de amor”, lembra.

Propaganda. Role para continuar lendo.

Vizinhos e parentes afirmam que ninguém mais voltou à casa da família desde o ocorrido. “Não tem como ficar lá”, disseram os moradores.

O corpo de Maycon foi velado e enterrado um dia após o crime, em 5 de abril, no Cemitério da Paz em São Roque.

Propaganda. Role para continuar lendo.
Propaganda