Connect with us

Mundo

Enfurecido, homem mata e decapita sua vizinha com uma foice por rejeitá-lo como namorado

Um homem de 27 anos assassinou e decapitou sua vizinha porque a garota o rejeitou como namorado

Publicado

em

O crime ocorreu na quarta-feira passada em uma pequena cidade no distrito de Salem, localizado no estado de Tamil Nadu, na Índia.

De acordo com o relatório oficial, o assassino, identificado como Dines Kumar, ficou enfurecido depois que o garoto de treze anos se recusou a ter um relacionamento com ele.

Segundo o site do The Hindu, Kumar foi até a casa do menor, cuja identidade não foi revelada, e atacou a mãe até que a mulher perdeu a consciência, depois decapitou a menina com uma foice.

Para piorar a situação, o assassino levou a cabeça de sua vizinha e jogou-o em uma rua próxima; No entanto, horas após o crime atroz, ele se entregou à polícia local.

O pai da vítima afirmou que o assassino tinha cúmplices, mas que eles não foram levados à justiça:

Depois de decapitar minha filha, Dinesh Kumar foi com sua esposa e cunhado para a delegacia confessar o que aconteceu, o que indica que todos os três sabiam do assassinato; no entanto, as autoridades não os prenderam “

No passado, a família da vítima tinha entrado com um processo acusando o assassino de conduta sexual indevida contra o menor, mas ele nunca levou a situação a sério.

A menina estudou em uma escola do governo nas proximidades e foi o último dos três irmãos. A identidade de seus pais não foi revelada, mas sabe-se que são trabalhadores.

As autoridades encarregadas do caso indicaram que Kumar, que atualmente está detido, não sofre de problemas mentais, como indicado em diferentes meios de comunicação locais, então será levado a julgamento para avaliar sua situação.

Propaganda
Clique e comente

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mundo

Mãe e pai tranca seu bebê de um ano em uma gaiola e a deixa morrer

Encarar, amarrado e dentro da jaula era como o mais novo era a maior parte do dia

Publicado

em

Por

Amor, carinho e cuidado são apenas algumas das coisas que as mães sentem por seus filhos. No entanto, embora seja difícil acreditar, nem todos têm o mesmo coração. Para provar isso, o próximo caso aconteceu em Liverpool, na Inglaterra.

De acordo com relatos da mídia local, Lauran Coyle, de dezenove anos, e Reece Hitchcott, de 20 anos, cometeram uma série de atos terríveis contra sua própria filha.

O relatório das autoridades indica que a pequena Ellie May, de um ano e sete meses de nascimento, estava amarrada a sua cama durante o dia e a noite. Em torno disso, seus pais instalaram barras elétricas que davam descarga à criança toda vez que ele tentava sair.

De modo que a menina dormiu a noite toda sem chorar, seus pais colocaram o rosto para baixo e a amordaçaram. Desde que ela tinha um ano de idade, a menina não saiu e em março, infelizmente, ela morreu no lugar que havia se tornado sua ‘casa’: dentro da jaula.

As janelas da sala onde Ellie May estava estavam cobertas de colchões e paredes com isolamento acústico, para que os vizinhos não a ouvissem chorar.

Após uma investigação, a polícia prendeu os pais e revelou mensagens de frio que foram enviadas. Neles, eles descreveram as torturas que estavam fazendo.

Estou estressada. Ela me mordeu, então eu a coloquei em seu quarto. Ele está batendo a cabeça contra a parede. Eu bati nela muitas vezes para acalmá-la.

Até agora, não se sabe qual será a sentença que os responsáveis ​​enfrentarão.

Continue lendo

Mundo

Advogada de megatraficantes brasileiros é assassinada no Paraguai; tudo foi filmado, assista

Laura Marcela Casuso foi atingida por disparos de pistola 9mm. Lista de clientes da vítima incluía Jarvis Pavão e Marcelo Piloto, criminosos com grande influência na área de fronteira

Publicado

em

Por

A advogada argentina Laura Marcela Casuso, de 54 anos, que defendia o narcotraficante brasileiro Jarvis Chimenes Pavão, foi assassinada a tiros, na noite desta segunda-feira, 12, em Pedro Juan Caballero, na fronteira do Paraguai com o Brasil. Conforme a polícia paraguaia, a morte está relacionada com a guerra entre facções brasileiras para o controle do tráfico na região.

Laura atuava também na defesa do traficante Marcelo Fernando Pinheiro Veiga, o ‘Marcelo Piloto’, ligado à facção carioca Comando Vermelho e preso no Paraguai desde dezembro de 2017.

A advogada foi atingida por oito disparos de pistola 9 mm quando saía de uma reunião, no centro da cidade, para atender a um telefonema. Ela foi emboscada quando se preparava para embarcar em seu SUV Range Rover, com placa brasileira do município paulista de Santana de Parnaíba.

Laura chegou a ser levada para um hospital, passou por uma cirurgia, mas não resistiu. Conforme o secretário de Segurança Pública de Pedro Juan Caballero, Teófilo Giménez, a suspeita é de que os assassinos sejam brasileiros. O crime aconteceu a 400 metros da linha de fronteira e os atiradores estavam a bordo de uma Toyota Hillux que teria sido furtada no Brasil.

Uma das hipóteses é de que a advogada tenha sido morta a mando de um de seus clientes. O Comando Vermelho divulgou recentemente vídeo em que ameaça matar a procuradora-geral do Paraguai, Sandra Quiñonez, em represália ao tratamento dado a seu líder, ‘Marcelo Piloto’, preso no país desde dezembro passado. Dias antes, o traficante havia declarado que pagava para receber proteção de um alto oficial da Polícia Nacional do Paraguai, o diretor geral de Investigações Criminais Alberto Cañete. O comissário negou a acusação.

Foi a advogada quem organizou a entrevista coletiva em que, da prisão, o traficante carioca ‘Marcelo Piloto’, afirmou ter feito o pagamento de propina a oficiais da Polícia Nacional do Paraguai. Considerado um estrategista do Comando Vermelho, responsável pelas rotas de drogas e armas, ‘Piloto’ foi condenado a 26 anos de prisão pela Justiça do Rio de Janeiro e teve pedida sua extradição para o Brasil.

Polícia paraguaia encontrou carro-bomba

Na coletiva, no início deste mês, o traficante brasileiro também assumiu crimes que teria praticado no Paraguai, o que seria uma estratégia para não ser extraditado, já que teria de responder pelos crimes à justiça paraguaia. No dia 4 de outubro, com a ajuda da PF brasileira, a polícia paraguaia prendeu cinco traficantes que planejavam resgatar ‘Piloto’. Semanas depois, um segundo plano de resgate com o uso de ‘carros-bombas’ levou o Ministério Público a declarar o preso “terrorista”.

Por sua vez, Jarvis Pavão é apontado pela polícia brasileira como um dos maiores fornecedores de cocaína para o Brasil. Preso no Paraguai, ele foi extraditado para o Brasil em dezembro de 2017 e cumpre pena de 17 anos e 8 meses no presídio federal de Mossoró (RN). Laura, a advogada argentina, falava português fluentemente e costumava circular pelo Brasil.

Ela teria atuado também na defesa do traficante Elton Leonel Rumich da Silva, o ‘Galã’, de 34 anos, preso em março deste ano, no Rio de Janeiro, com documentos falsos.

Região vive disputa intensa desde 2016

Pavão e ‘Galã’ são suspeitos de envolvimento no atentado que matou o megatraficante Jorge Rafaat Toumani, em Pedro Juan Caballero, em junho de 2016, desencadeando uma guerra na fronteira. Até então considerado ‘intocável’, o chefão das drogas foi atingido por disparos de metralhadora ponto 50 que estraçalharam seu utilitário Hammer blindado.

Ao menos 50 mortes, nos últimos dois anos, são atribuídas à rivalidade entre as facções brasileiras pelo controle da fronteira. Em um único dia, 17 de outubro último, cinco pessoas supostamente ligadas ao tráfico internacional foram executadas a tiros, em Pedro Juan Caballero e na brasileira Ponta Porã. Uma das vítimas, o piloto brasileiro Mauro Alberto Parreira Espíndola, de 58 anos, trabalhou para o narcotraficante carioca Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, também preso na penitenciária de Mossoró.

Matéria do Estadão

Continue lendo

Mundo

Gravação brutal mostra jovem crivando sua irmã com uma AK-47; Assista

Lamentavelmente, casos de violência, abuso e homicídios estão ocorrendo em todo o mundo, mas há pontos no planeta que têm ainda mais situações desse tipo

Publicado

em

Por

Através das redes está circulando o vídeo de um jovem que assassinou brutalmente sua irmã para “defender sua honra e a de sua família”, o que chocou e alarmou milhares de usuários da Internet.

De acordo com a informação publicada na RT em espanhol, ele é um lutador Exército Sírio Livre, que é gravada por um amigo na cidade de Yaráblus, Aleppo, Síria, como ele insiste acabar com sua irmã como ele diz vá em frente Bashar, limpe sua honra.

Depois de pedir à vítima – identificada como Rasha Bseis – para mostrar seu rosto para a câmera, o fratricida dispara várias rajadas de balas com um AK-47; no final, você só consegue ver a figura desamparada de uma mulher encolhida contra a parede.

As razões que levaram Bashar Bseis a matar sua irmã não são claras; Alguns meios de comunicação informaram que ela aprendeu que ela tinha um relacionamento com um oficial turco, outros disseram que um soldado turco a havia estuprado e espalhado suas fotos online.

Contra este jogo violento, muitos internautas lançaram uma campanha online para denunciar este e outros crimes de ‘honra’ que os parentes das vítimas são cometidos contra as mulheres, porque eles acreditam que suas ações mancharam o bom nome de suas famílias.

‘Você não será esquecido, Rasha Bseis. Descansa em paz. Sinto muito que você nasceu em tal mundo. Eu sinto muito por todos nós “, escreveu a ativista síria Sarah Hunaidi. Por sua vez, organizações como Kish Malek ou Women Now for Development exigiram justiça para o falecido.

O porta-voz do grupo rebelde apoiado pela Turquia e os Estados Unidos apoiaram até 2017, altura em que o jovem assassino, Mustafa Sejari, pertence assegurou o diário britânico The Guardian que está investigando este assassinato ‘contrárias aos seus princípios’ e confirmado que um tribunal militar em Yarábulus emitiu um mandado de prisão.

No entanto, várias semanas se passaram desde este evento e o suspeito não só foi preso, mas fugiu para sua cidade natal, fora do controle do Exército Livre da Síria.

Continue lendo
Advertisement