Bebês gêmeos são salvos pelo irmão de 4 anos e história emociona - Mceara.com
Siga-nos nas redes sociais

Mundo

Bebês gêmeos são salvos pelo irmão de 4 anos e história emociona

Ele sempre beija os irmãozinhos na testa e diz: ‘eu amo vocês!’” Contou a mãe.

Uma história emocionante que envolve o amor entre irmãos, prova que vale a pena ter fé e acreditar, ainda que os dias estejam difíceis, a mãe das crianças, Robin Pownall, conseguiu o que mais precisava para ávida dos filhos serem salvas.

A vida dos gêmeos Giovanni e Santino Demasi estava em risco, os bebês foram diagnosticados com uma perigosa doença, “Doença Granulomatosa Crônica”. O nome é meio complicado, mas o significado do que causa no organismo, é a baixa defesa do corpo para se defender de infecção,s bactérias e vírus. Estando sucessíveis e ainda na fase de desenvolvimento, os gêmeos poderiam adoecer e não resistir, por isso o transplante de medula óssea se tornou a única solução para salvar as crianças.

O irmão de 4 anos, Michael, é o único membro da família perfeitamente compatível com os gêmeos Giovanni e Santino Demasi, essa informação ficou comprovada após a realização de exames em todos.

“Nós ficamos preocupados porque há riscos e é um procedimento muito dolorido. E também pensamos no quanto ele entenderia”, contou a mãe ao ouvir o médico falar sobre a possibilidade de curar os bebês se o irmão fosse o doador.

A família mora na Philadelphia, Estados Unidos, eles receberam o diagnóstico da doença dos filhos gêmeos em 2017, alguns dias após terem nascido. A mãe pesquisou sobre a Doença Granulomatosa Crônica e descobriu que os médicos estavam certos, os filhos corriam perigo se nada fosse feito antes de eles terem algum contato com vírus ou bactérias.

As defesas naturais do organismo de uma criança saudável que, aos poucos, conforme vai crescendo fica mais forte, no caso dos gêmeos, qualquer infecção simples de combater em outras pessoas, neles poderá ser fatal. Então a mãe precisou concordar com o transplante, sendo o filho de 4 anos o doador.

“Ele encarou e ficou feliz em ajudar o irmão. Quando tiraram a medula dele, ele viu o saquinho de sangue e falou: ‘esta é a minha medula!’. Ele começou a contar para todo mundo, estava muito feliz. Ele sempre beija os irmãozinhos na testa e diz: ‘eu amo vocês!’” Contou a mãe.

Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *