Connect with us

Brasil

Avó é presa por filmar abusos e estuprar os quatro netos

Segundo a polícia, as ocorrências começaram após a mãe das crianças arrumar emprego e deixar os filhos sob os cuidados da avó

Publicado

em

A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) prendeu, na noite de sexta-feira (19/10), uma avó flagrada estuprando os próprios netos em vídeos que ela mesma filmava. Segundo investigadores da 19ª Delegacia de Polícia (P Norte), as vítimas são três meninas, de 1, 2 e 4 anos, e um menino de 6.

De acordo com a PCDF, os abusos começaram após a mãe dos meninos conseguir emprego e deixar os filhos aos cuidados da avó. Familiares começaram a perceber um comportamento erotizado por parte das crianças e tentavam descobrir a origem daquelas atitudes.

Um parente desconfiou e resolveu investigar o que ocorria enquanto os netos ficavam sozinhos com a avó, quando descobriu fotos e vídeos filmados pela abusadora, nos quais ela aparece fazendo sexo e atos libidinosos com os netos.

“O caso chocou todos os policiais da 19ª DP, e várias equipes foram mobilizadas para localizar e prender, imediatamente, a autora dos crimes, pois a liberdade de alguém que pratica algo tão grave contra os próprios netos certamente coloca em risco toda a população”, comentou o delegado-chefe adjunto da 19ª DP, Ricardo Bispo Farias.

Tão logo soube que os filhos eram vítimas da própria avó, a mãe das crianças denunciou o crime aos policiais. Os agentes seguiram imediatamente para a casa da suspeita, que mora no Recanto das Emas, e localizaram um vasto acervo de pornografia infantil no celular da acusada, no qual ela aparece fazendo sexo oral no menino de 6 anos e manipulando a genitália das outras três netas.

Ela foi presa em flagrante por manter consigo vídeos pornográficos com crianças. Além disso, um inquérito policial foi instaurado para apurar o crime de estupro de vulnerável praticado contra os quatro netos.

Matéria do Metrópoles

Propaganda
Clique e comente

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Brasil

Mulher é presa por decapitar e esconder o corpo do ex-marido

Uma nova investigação foi iniciada porque um ex-namorado da suspeita também teria sido assassinado anos atrás

Publicado

em

Por

Uma mulher de 38 anos foi presa temporariamente nesta sexta-feira suspeita pelos crimes de homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver de seu ex-marido, o pedreiro Edivaldo Dias, de 38 anos. O corpo da vítima foi encontrado sem a cabeça no dia 16 de outubro deste ano por moradores da área rural de Colombo, Região Metropolitana de Curitiba. A mulher foi presa em Rio do Sul (SC) por policiais civis da Delegacia de Almirante Tamandaré. As informações são da Polícia Civil do Paraná.

O delegado também esclareceu que uma nova investigação foi iniciada porque um ex-namorado da suspeita também teria sido assassinado anos atrás.

Segundo a investigação, Edivaldo já estava desaparecida desde o dia 13 de outubro. Dias depois, os moradores foram averiguar, por terem visto rastros de sangue no matagal, e se depararam com o corpo decapitado. No outro dia, crianças curiosas com a situação foram até os arredores e acharam a cabeça da vítima, que foi sepultada separadamente ao corpo.

De acordo com o delegado responsável pelo caso, a mulher era a principal suspeita. “No dia 13, quando Dias desapareceu, havia uma ligação em seu celular realizada pela suspeita às 5 horas da manhã e já existiam Boletins de Ocorrência registrados pela vítima contra ela, dando conta de que teria tentado esfaqueá-lo. Também recebemos uma denúncia anônima dando conta de que ela seria a suspeita pelo crime e dias após o desaparecimento da vítima, teria levado seu carro a um lava-jato a cerca de 25 km de distância de sua residência”, revela.

Ao todo cinco testemunhas foram ouvidas, entre elas duas sigilosas. A suspeita estava foragida em Rio do Oeste (SC) e foi presa por policiais da Delegacia de Almirante Tamandaré, para onde foi encaminhada e permanece à disposição da Justiça.

Matéria do O Dia 

Continue lendo

Brasil

Mãe é acusada de ter matado o filho recém-nascido com 15 facadas

Segundo informações do blog Tom Ribeiro, um caso chocante horrendo aconteceu em Ilhéus, no último sábado, 03, à noite

Publicado

em

Por

Uma mulher, identificada como Bruna Sales, 22 anos, é acusada de matar o próprio filho, recém-nascido, com 15 facadas. Ela estava grávida e escondia a gravidez da família.

Bruna estava no seu quarto, quando familiares ouviram o choro de uma criança. Assustados e sem entender o que estava ocorrendo, descobriram que ela teve um parto normal, sozinha.

Ao ser perguntada sobre o bebê, a mulher disse que estava dentro do guarda roupas. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU 192) foi acionado e o recém-nascido, que pesava cerca de 4 kg, estava enrolado em um pano e foi levado juntamente com a mãe para a maternidade.

A acusada não tem mãe e morava com a tia. Ela foi levada para o presidio nesta segunda-feira, 5, após receber alta do hospital.

Em entrevista ao Blog do Gusmão, a delegada Andréa Oliveira, da 7ª Coorpin (Ilhéus), trouxe alguns esclarecimentos sobre o caso bárbaro que culminou na morte de um bebê recém-nascido, supostamente a facadas, no último sábado, 03.  A mãe, Bruna Sales, 22 anos, é acusada de tirar a vida da criança.

Segundo Andréa Oliveira, a mãe foi liberada após audiência de custódia. Ela apresenta sinais comportamentais de depressão pós-parto e não consegue se comunicar. Não emite sequer uma palavra.

O médico legista tem 30 dias para apresentar o laudo com a verdadeira causa da morte. Só com o documento o inquérito será finalizado.

Matéria do Blog Do Gusmão

Continue lendo

Brasil

Casal de gêmeos recém-nascidos é encontrado morto em matagal

Ela negava a gravidez e para esconder a barriga usava 2 cintas

Publicado

em

Por

O conselho Tutelar denunciou nesta quarta-feira (7) uma mulher identificada como Hildelene de Sousa Lima, de 26 anos, acusada de ter jogado dois filhos recém-nascidos em uma região de mato para ocultar a gravidez da família.

Segundo informações repassadas pelo delegado Anchieta Pontes, Hildelene negava a gravidez e para esconder a barriga utilizava duas cintas. Na noite de terça-feira (06), ela teria entrado em trabalho de parto e se deslocou até uma região de mata, próximo a sua residência no município de Curralinhos, cidade do estado do Piauí.

A mãe da acusada percebeu a movimentação da filha voltando do mato e correndo ensanguentada para dentro do banheiro da casa e pediu para seu filho ir até o local de onde a mulher tinha saído, lá ele encontrou um casal de gêmeos enrolados em uma toalha.

A mulher comentou com familiares que ela teria sofrido um aborto espontâneo. Entretanto, como ela sempre negou que estivesse grávida, familiares desconfiam que ela teve um parto natural, e para manter a mentira de que não estava grávida, resolveu matar as crianças e planejado voltar para enterrá-las depois.

Acusada está internada (Crédito: Reprodução/TVMN)

Hildelene e sua mãe, que descobriu o caso, estão internadas no Hospital da cidade de Demerval Lobão, Os fetos foram recolhidos pelo IML onde passam por perícia.

A Polícia Civil de Cocal investiga um possível crime de infanticídio que teria acontecido quando uma jovem de 18 anos escondeu sua gravidez da família.

Uma denúncia anônima, a polícia, determinou que fosse interrompido o velório do recém-nascido, do sexo feminino, para que o corpo fosse encaminhado ao IML (Instituto Médico Legal) de Parnaíba, para a realização de exames de necropsia para apurar a causa da morte.

Segundo informações, a jovem deu a luz sozinha em casa e ninguém da família sabia de sua gestação. O próprio avô da adolescente disse que as marcas que foram encontradas no corpo da criança geraram essa suspeita.

Matéria do Meio Norte

Continue lendo
Advertisement